Começa em (03/03) oficialmente a abertura da chamada janela partidária, período de 30 dias em que os parlamentares brasileiros poderão mudar livremente de partido político no Brasil, sem que haja perda do mandato. A data marca a formação de um novo mapa eleitoral após a intensa troca de legendas para as eleições deste ano.

Essa movimentação política que ficou conhecida como “janela partidária” começou em outubro de 2007, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os mandatos conquistados nas eleições proporcionais de vereadores e deputados estaduais e federais, pertencem ao partido e não ao parlamentar.

De acordo com a decisão da Suprema Corte naquele ano, os parlamentares escolhidos pelo sistema proporcional se beneficiam da votação dada à legenda e a outros candidatos, o que não ocorre no caso da disputa majoritária, portanto, os mandatos pertenceriam aos partidos e não aos eleitos.

Em 2016, a Emenda Constitucional nº 91 também passou a regulamentar a janela partidária, dois anos depois, novas regras foram estabelecidas quando o TSE decidiu que a janela partidária só é válida para parlamentares que estejam no término do mandato vigente, limitando a troca partidária de vereadores apenas às eleições municipais, e de deputados estaduais e federais apenas nas eleições gerais.